ARREPENDIMENTO, ATITUDE CONSTANTE

24 de março de 2019

Leitura - Lc 13:1-9

 

No texto de hoje temos uma importante reflexão a fazer, ele trata dos aspectos inerentes ao dia a dia de nossas vidas. Jesus está colocando uma questão que precisamos refletir, aqueles que pecaram, que erraram, foram tão pecadores como qualquer pessoa. Ele coloca alguns casos conhecidos de pessoas que sofreram consequências de atos voluntários ou não e para todos os casos ele afirma que o que importa é que aquele que pecar deve se arrepender, caso contrário também perecera. Com essa mensagem Jesus nos mostra que não há diferença de pecados maiores e menores e que em última análise todos aqueles que se distanciam da vontade de Deus, estão em pecado.

O conceito de pecado que muitas vezes vemos se desenvolvendo no meio de cristãos é aquele que o pecado vem em uma escala de agravantes e que para cada um dos nossos atos há uma pena proporcional. Com isso, elegemos pecados e pecados. Isso é mal para nossas vidas, muito mal. O conceito de pecado na Bíblia é bastante conhecido e traz a ideia daquela pessoa que se afasta do centro da vontade de Deus e isso em todas as áreas de nossas vidas.

Faça uma avaliação de sua vida hoje e veja onde anda o seu alinhamento com o prumo da vontade de Deus. Não há diferença de estarmos um pouco afastado do prumo ou estarmos bastante afastados desse prumo, estamos fora da vontade de Deus em qualquer das situações. No entanto, é importante considerarmos um aspecto importante que não podemos perder de vista. Veja bem isso e avalie comigo. Mesmo estando distante do propósito de Deus e de seu prumo a distância desse prumo poderá dificultar o nosso caminho de volta e aí sim quanto mais distante, mais imergidos no pecado, mais embriagados com os deleites do erro e assim, consequentemente, mais difícil se torna fazer o caminho de volta.

Em qualquer um dos casos, o que é mais importante, afirma Jesus, é ter a consciência da necessidade de arrependimento, sem ele, diz Jesus, pereceremos. Escute de Deus e procure fazer uma autoanálise avalie sua vida, seus atos e para onde está indo a sua existência, pois a conclusão que Jesus dá a esse texto envolve uma vida que vai além de não ser pecadora, mas que possa ser frutífera.